João Paulo Vaz

Oito regras básicas para matar o Imperador

 

João Paulo Vaz

Em primeiro lugar é preciso não odiá-lo. Porque o ódio conduz a um lugar estreito, onde nos tornamos presas fáceis dos seus guardas. O Imperador tem que ser morto com frieza. Sua morte não deve nos causar qualquer prazer. Ou desprazer. Só o matador frio é eficaz.

É preciso também, por uma questão de prudência, temer o Imperador. Não tanto que nos paralise, nem tão pouco que não provoque tensão. É preciso temê-lo na medida exata da sua força.

Amar o Imperador não é indispensável, mas é aconselhável. Não muito. Só o suficiente para conhecer seus pontos fracos. É aconselhável amá-lo na medida exata da sua fraqueza.

Não é preciso dar morte misericordiosa ao Imperador, mas o excesso de crueldade deve ser evitado. Não queremos um mártir.

O Imperador deve ser morto preferencialmente pelas costas. Não por questão de segurança, mas pela plenitude do ato, porque um homem que percebe, mesmo por uma fração de segundo, que vai morrer, já não é um imperador.

O ideal é matá-lo à traição. A morte à traição é mais completa, porque, além de eliminar o futuro, fere o passado.

A morte do Imperador deve ser exaustivamente planejada, mas tem que se consumar à revelia de todos os planos. Como uma fatalidade.

E, sobretudo, é preciso jamais esquecer que o objetivo final não é a morte do Imperador, mas a destruição do Império.


Uma resposta para “Oito regras básicas para matar o Imperador”

  1. Dissanctis

    João Paulo Vaz
    Naveguei e cheguei nos seus escritos, bons de ler, ótimos de conteúdo. O Cozido é algo e estas Regras para matar o Imperador, sem palavras, arte pura…

    Tenho pequenas reflexões e segue uma, abaixo, para a qual desde já agradeço por um comentário. Comecei há pouco tempo, trabalho com imagens (fotos minhas) e um pequeno texto correspondente. Não dá para enviar a imagem aqui, se puder, entre no site acima onde tem a imagem e o texto e, se for o caso, deixe comentário no Livro de Visitas.
    Abs
    Dissanctis
    ——————————-
    PLENITUDE
    Vida, obra-prima do sol, plenitude da criação.
    Eu… existo, sou ar. Existo intensamente, sou calor. Irradio, sou luz.
    Eu… extravaso luz, sou plenitude. Extravaso plenitude, sou vida. Extravaso vida, sou sol.

    DISSANCTIS
    ———————————

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© 2012 - João Paulo Vaz | Todos os direitos reservados